Softwares desenvolvidos por equipe da UnB proporcionam inclusão para estudantes com deficiência intelectual

Os programas serão lançados oficialmente na terça-feira (18), às 14h30, em evento no auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT) da UnB


Fonte: UnB Notícias

Criado para auxiliar o aprendizado de tarefas realizadas no dia a dia por pessoas com deficiência intelectual, o software Organizar idealizado pela equipe do Projeto Participar, da Universidade de Brasília, oferece apoio na execução de atividades como o gerenciamento do tempo e noções básicas sobre clima e estações do ano.

O coordenador do projeto, professor Wilson Veneziano, que também é membro do NTAAI, ressalta que o software não é meramente conteudista, mas mantém como principal vertente a aplicabilidade social dos conteúdos aprendidos, principalmente no cotidiano fora das escolas. “Ele possui a finalidade de fomentar a interação e a inclusão social desses estudantes. São conteúdos de vida”, explica.

Dentre as diversas funcionalidades, é possível que o usuário controle seus compromissos rotineiros como os horários de transporte escolar, das refeições e de tomar seus medicamentos, por meio de uma agenda eletrônica. Pode ainda aprender questões básicas a respeito do calendário, como dia da semana, dia do mês, número e nome do mês e do ano. Tudo isso é realizado de forma que estimula a cognição com interatividade, por meio de recursos audiovisuais como vídeos explicativos e motivacionais.

Outro software desenvolvido pelo grupo de pesquisa é o Somar, que se propõe a capacitar os estudantes no domínio de habilidades relacionadas à matemática que possam ser aplicadas em situações rotineiras. As lições contemplam aspectos como o uso da calculadora como tecnologia assistiva para realização de tarefas básicas como compras em supermercados e uso das células monetárias.

Para adaptar os recursos às necessidades de aprendizado dos estudantes, especialistas pesquisaram os requisitos educacionais previstos no currículo funcional do Ministério da Educação, e uma equipe composta por designers gráficos, pedagogos, produtores de vídeo, estudantes do curso de Licenciatura em Computação da UnB e atores com Síndrome de Down foi responsável por desenvolver os vídeos e as funcionalidades e conteúdos pedagógicos.